domingo, 2 de maio de 2010

Islã - Entre a Paz e o Terrorismo

O islamismo é a religião que mais cresce no mundo. Prevê-se que, a partir dos próximos anos, deverá ultrapassar o cristianismo, a religião dominante. Há mais de l ,3 bilhão de muçulmanos no mundo.
A maior concentração está na Ásia e na África, embora tenha se expandido muito na Europa, nos Estados Unidos e nas ex-repúblicas soviéticas.
"Assassinato em nome de Alá"
Miséria e falta de democracia, «aliadas ao nacionalismo, fazem o caldo no qual nasce o radicalismo
Essas são as duas faces do Islã. De um lado, o terrorismo radical, que elegeu os Estados Unidos como a representação de todo o mal que existe no mundo ocidental; de outro, o Islamismo, que prega o respeito por outras crenças e se autoproclama a religião da paz.
Neste capítulo vamos analisar esses dois lados de uma religião que foi fundada no século VII, no mundo árabe, pelo profeta Maomé. Isso pode explicar por que o islamismo está sempre associado a essa etnia, embora países como o Ira (persa), a Turquia (turca), o Afeganistão (patanes e tajiques), o Paquistão (punjabis e slndis) e a Indonésia (Javaneses e ma-lalos), a maior nação islâmica do mundo, sIgam essa religião, sendo considerados países muçulmanos.
Portanto, a religião que já foi adotada por quase 20% da população do planeta não é exclusividade de povos árabes. Muito pelo contrário, esses representam apenas 15% dos quase um bilhão e trezentos milhões de muçulmanos que existem no mundo. A grande maioria está na Ásia (cerca de 70%) e na África (cerca de 30%). Mas o islamismo está presente, embora em menor número de seguidores na Europa, na América e na Oceania.

O Islã da Paz

A religião de Maomé tem por base o seu livro sagrado - o Alcorão ou Corão, que teria sido revelado ao profeta pelo anjo Gabriel. Como texto sagrado, só pode ser tocado pelo fiel, que deve decorar pelo menos doze de seus versos, após o ritual de purificação (banho parcial ou total).
Atualmente, os muçulmanos formam uma comunidade religiosa como outras existentes no mundo. Estão divididos em duas correntes distintas, que se formaram após a morte do fundador da religião islâmica. A principal divergência entre elas está na escolha do sucessor do chefe religioso. A corrente xiita afirmava que Ali Abu Taleb, primo e genro de Maomé, deveria sucedê-lo, por isso os xiitas até hoje atribuem a liderança religiosa à descendência do profeta. Hoje, apenas cerca de 10% dos fiéis seguem esse pensamento.
Os sumias, que compõem mais de 90% dos islâmicos, conferem aos quatro califas, companheiros de Maomé, os direitos da sua sucessão.
Em muitos países, há rivalidades entre as correntes e, dentro delas, existem seguidores mais moderados e adeptos mais radicais.
Os xiitas têm seus líderes espirituais (imãs) e sua própria interpretação do Corão. Não podemos esquecer, no entanto, que extremistas existem em quase todas as religiões. Se chamássemos todos os muçulmanos de terroristas, correríamos o risco de ser tão intolerantes quanto os próprios radicais islâmicos.

O Islã fundamentalísta

Em 1924, Mustafá Kemal Ataturk determinou a separação entre o Estado e a religião islâmica, criando a república secular da Turquia. Muitos adeptos do islamismo nunca se conformaram com essa situação, temendo que a modernidade dos costumes ocidentais contaminasse seu povo. Esses fiéis extremistas recebem o nome de fundamentalistas ou integristas islâmicos e, embora afastados da política, sempre agiram nos bastidores, como oposição ao governo. A prática de atos terroristas foi e tem sido a forma mais comum de manifestar essa oposição.

A Revolução Islâmica do Irá
"Os Estados Unidos são o grande Satã."
(Aiatolá R. Khomeini)

Os radicais islâmicos só voltaram ao poder em 1979, quando uma revolução islâmica derrubou o governo do xá Reza Pahlevi, que, apoiado pêlos Estados Unidos, procurou instalar um regime com características ocidentais no Ira.
O líder da revolução, aiatolá Khomeini, declarou o país uma República Islâmica, a si mesmo como autoridade suprema e os Estados Unidos como o grande inimigo, por ter apoiado a sangrenta ditadura do xá.
Como uma teocracia, o Ira é regido por leis religiosas, baseadas no livro sagrado do Corão. As Forças Armadas, a polícia e os serviços de segurança são controlados pelo chefe espiritual, que tem o título de aiatolá. Todas as leis aprovadas pelo Parlamento passam pelo Conselho dos Guardiões, composto por doze aiatolás. A imprensa é vigiada e bebidas alcoólicas são proibidas. As mulheres são obrigadas a usar um véu cobrindo o rosto, mas no Ira podem trabalhar e ocupar cargos políticos.
A importância do Ira vem de sua posição estratégica no Oriente Médio e por suas reservas de petróleo.
O presidente do país em 2001, Sayed Moham-mad Khatami, religioso mais liberai, luta contra líderes conservadores para estabelecer um governo mais democrático. Em recentes eleições parlamentares, verificoü-se a vitória de políticos favoráveis a essas reformas, o que pode significar uma sociedade civil mais livre e menos controlada pelo Estado islâmico no Irã.

O terrorismo islâmico

Inspirados na "Guerra Santa" (Jihad), os fundamentalistas islâmicos procuraram nos atos terroristas um modo de combater os costumes ocidentais, que consideram o caminho mais fácil para a perdição. A criação do Estado de Israel em 1948, no Oriente Médio, foi outro fator de acirramento do ódio pelas antigas potências coloniais (França e Reino Unido) e pêlos Estados Unidos, principal aliado dos israelenses.
"Fazei a guerra, com sangue e extermínio, a todos que não crêem em Deus... Quando encontrardes com os infiéis, matai-os..." Essa frase do profeta Maomé levou ao conceito da "Guerra Santa", que serve tanto para manter o equilíbrio constante no interior do indivíduo, para que possa se livrar das forças malignas (Jihad interior), como para levar à expansão e à preservação da religião islâmica no mundo (Jihad exterior).
Para Maomé, a batalha com o seu interior é a luta mais importante. Porém, "os que lutam na Guerra Santa, triunfem ou sucumbam, irão todos para o paraíso", disse o profeta.
No Islã, muitas vezes, a religião serviu como resistência às potências coloniais do Ocidente.
Atualmente, o fundamentalismo islâmico assusta pela violência e pelo radicalismo de algumas de suas açòes. Muitos seguidores, em seu fanatismo, acham-se privilegiados em morrer por Alá.

A milícia Taleban

O Afeganistão fica no Centro-Oeste da Ásia, em uma região estratégica, que faz fronteira com pontos problemáticos do mundo, como o Ira, o Paquistão e as ex-repúbíicas soviéticas da Ásia central.
A milícia Taleban (palavra que significa estudante, em persa) teve origem em um grupo radical patrocinado pelo Paquistão e que estudava as leis islâmicas, daí o seu nome. Desde 1996, os Talebans controlavam 90% do território afegão e impunham à população severas normas, baseadas nas leis islâmicas. Aplicavam punições a criminosos, como amputação de membros ou pena de morte. O uso de televisores, videocassetes e Internet era terminantemente proibido, pois suas atrações podem ir contra a moral islâmica. Eram proibidas todas as representações de seres vivos ou símbolos do cristianismo. Não era permitido tirar fotografias de homens nem de animais. Os homens deveriam deixar a barba crescer e podiam ser punidos, com a escola de reeducação, se desobedecessem às regras.
As mulheres eram as mais penalizadas: não podiam sair desacompanhadas, tampouco sem o véu (burca), que as cobre totalmente. Não tinham permissão de trabalhar fora de casa nem de estudar. Só podiam receber atendimento médico de outras mulheres. Como dificilmente há médicas no país, com essas proibições o número de óbitos femininos tem aumentado.
A milícia Taleban vigiava a população através de uma força policial religiosa, conhecida como Departamento Geral para a Preservação da Virtude e Eliminação do Vício. Os Talebans foram destituídos do governo após a invasão do país pêlos Estados Unidos.

O inimigo número 1 dos costumes ocidentais

O maior problema que os Talebans causaram à humanidade foi dar abrigo ao mais temido e procurado terrorista islâmico do mundo: o milionário Osama Bín Laden, nascido na Arábia Saudita e que declarou guerra aos Estados Unidos. "Juramos todos os americanos de morte, sem distinção entre civis e militares", declarou em 1998, em entrevista à rede de televisão ABC.
Segundo ele, uma visão tida em 1987 sobre a necessidade de iniciar uma Guerra Santa contra governos seculares no Oriente Médio e potências ocidentais levou-o a criar uma rede de terrorismo, que se espalha por mais de cinquenta países.
Herdeiro de uma grande fortuna, teve uma juventude privilegiada. Hoje, usa seu dinheiro para financiar treinamento de terroristas para atentados contra o Ocidente. Há doze anos, chefia o Al-Qaeda, organização que reúne islâmicos radicais de todo o mundo. Além disso, usa os serviços de integrantes de outros grupos radicais islâmicos.
Antes de se refugiar no Afeganistão, Laden viveu no Sudão, de 1990 a 1995, até que os Estados Unidos exigiram sua saída desse país.
É acusado dos atentados às embaixadas dos Estados Unidos, no Quénia e na Tanzânia, em 1998, e ao destroyer americano USS Cole, em 2000, no lêmen. Foi o responsável pêlos atentados de 11 de setembro de 2001, que destruíram as duas torres do World Trade Center, em Nova York, e atingiram parcialmente o Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

Outros grupos islâmicos radicais

Além das organizações palestinas, das quais falaremos no capítulo 47, podemos citar os seguintes grupos fundamentalistas islâmicos, originários de diversos países:
- Egito. Nesse país foi criado, em 1928, o primeiro grupo radical - Irmandade Muçulmana - por Hassan-el-Banna. Entretanto, desde o governo do presidente Gamai Abdel Nasser (1956-1970), os militantes islâmicos têm sido reprimidos no país, não podendo se estabelecer como partido político. Os principais grupos que agem no Egito são a Gammaat-Ms-lamia e a Jihad Islâmica.
- Argélia. Nesse país, grupos radicais promovem o massacre de vilas e povoados inteiros, de forma extremamente cruel, para protestar contra o governo não fundamentalista do país. Esses grupos são a GIA (Grupo Armado Islâmico) e a FIS (Frente Islâmica da Salvação).
Em janeiro de 2000, o governo conseguiu uma vitória, com o desmantelamento do EIS (Exército Islâmico da Salvação), braço armado da FIS, mas o terrorismo islâmico continua agindo no país.

Principais atentados de terroristas islâmicos

Os terroristas islâmicos já fizeram inúmeras vítimas em várias partes do mundo, principalmente após a década de 1970. Conheça os seus principais atentados:
5 de setembro de 1972: extremistas palestinos invadem a vila olímpica, em Munique (Alemanha), assassinando atletas e técnicos da delegação de Israel.
Em 2 de dezembro de 1998: um Boeing 747 da companhia norte-americana Pan Am é derrubado sobre o povoado de Lockerbie, na Escócia. Os terroristas líbios responsáveis pelo atentado foram julgados apenas em 2001 e condenados à prisão perpétua.
Em 17 de novembro de 1997: o Gammaat-i-Islamia matou 61 pessoas, principalmente turistas estrangeiros, em Luxor, no Egito.
7 de agosto de 1998: a Embaixada dos Estados Unidos no Quénia e na Tanzânia, África, sofre atentados que resultaram em mais de 200 mortos e 5000 feridos.
Em 9 de agosto de 2001: 15 pessoas, incluindo um brasileiro, são mortos em Israel. O grupo extremista palestino Hamas reivindicou o atentado.

O maior atentado do todos os tempos

11 de setembro de 2001. Os Estados Unidos sofrem uma série de atentados terroristas inacreditáveis, que atingiram o centro do poder econômico mundial e a sede do poder militar do país. Dois aviões de companhias americanas, com passageiros, sequestrados em aeroportos do país, atingem, com intervalo de dezoito minutos, as duas torres do World Trade Center, em Nova York, onde funcionavam escritórios de bancos e das maiores empresas transnacionais.
O cartão postal mais famoso de Nova York nunca mais será o mesmo sem as torres gêmeas do World Trade Center. A intolerância e o fanatismo deixaram sua marca na ilha de Manhattan.
Da mesma forma, outro jato comercial era arremessado contra o edifício-sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, o Pentágono, em Washington.
Um quarto avião, que supostamente se dirigia para algum outro alvo dos terroristas, caiu sobre uma área florestal no estado da Pensilvânia.
O terrorista Osama Bin Laden assumiu a autoria dos atentados. O número de mortos nessa tragédia passou de 5 mil e o impacto sobre a economia mundial ainda é incalculável. Mais graves, porém, são as implicações políticas, como a retaliação dos Estados Unidos, apoiados pêlos países da Otan, contra o Afeganistão.

8 comentários:

  1. Assalamu áleicum (A Paz seja convosco).
    www.estradadaharmonia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. oi oi oi e pra quebrar kuduro vamos dançar kuduro oi oi oi

    ResponderExcluir
  3. Antes de mais nada, islamismo não é uma religião, mas, uma Seita Pedofílica e política, na qual a pedofilia é legalizada por lei do Islã.

    A realidade: os cristãos ou membros de outras religiões não enviam assassinos para matar no Oriente Médio, porém, os muçulmanos enviam suas facções Terroristas, sob o pretexto que são "Fundamentalistas Islâmicos", para matar no Ocidente.
    Muçulmanos recolhem dízimos nas Mesquitas, para o Terrorismo, então são cúmplices.

    No Oriente Médio, constantemente, estupram, mutilam e matam cristãos e membros de outras religiões.

    Por que então, temos que os tolerar na Europa e em outros países civilizados, se eles nos odeiam, e somente não nos matam, porque temem as conseqüências?

    Os islamitas seguem, rigorosamente, o que está escrito no CORÃO (escrito pelo pedófilo Maomé, que chamam de Profeta), por esse motivo a PEDOFILIA é legalizada pela lei do ISLÃ.

    Também, nesse livro satânico que chamam de sagrado, o CORÃO, está escrito que todos têm que serem convertidos ao islamismo ou assassinados, de acordo com a tal "Guerra Santa", que de santa não tem nada.

    Nos noticiários, poderemos saber das atrocidades que praticam nas indefesas aldeias e pequenas cidades da África: estupram suas meninas e jovens, e matam todos os homens, para que não mais procriem: os "Cães Infiéis, ao Maomé" (como chamam todos que não são muçulmanos). Em seguida obrigam suas vítimas a colocar o véu, e as transformam em muçulmanas, contra a vontade delas.

    Depois alegam, decaradamente, que islamismo é a "religião" que mais cresce no mundo.

    Entre outras perversidades: estupros de mais de seiscentas meninas e adolescentes, obviamente virgens, como foi amplamente divulgado na Itália. Na Inglaterra estupraram centenas de meninas, também amplamente divulgado. Assim como em todos os países europeus, onde estão infiltrados, acontece a mesma coisa.

    Ainda, picham todas as Igrejas nos países europeus, que os acolheram, onde podemos observar que apenas as Mesquitas não estão pichadas. Se fosse obra de pichadores, as Mesquitas também estariam.

    Depois reclamam da ISLAMOFOBIA?

    E, viva a ISLAMOFOBIA, que varrerá do mundo, a chaga da humanidade, o islamismo, e suas perversões sexuais: a pedofilia

    ResponderExcluir
  4. ANDERS BEHRING BREIVIK, da Noruega não é um assassino, é um idealista, assim como foi Che Guevara e outros, que arriscaram suas vidas e liberdade, em prol da humanidade. E. como o próprio Anders da Noruega declarou: "foi cruel, mas necessário". Com seu ato, ao eliminar os islamitas e seus simpatizante, ele teve a intenção em alertar o mundo sobre os perigosos muçulmanos, que se infiltram na Europa e em outros países civilizados, sob qualquer pretexto, e na primeira oportunidade fazem terrorismo nos países que os acolheram.

    Alguns exemplos: na França, queimam as propriedades dos ocidentais, sob qualquer pretexto, e contratam desocupados para fazerem o “serviço”, em conjunto, para não serem incriminados. E, onde podemos observar que todas as Igreja estão pichadas, e apenas as Mesquitas não estão. Se fosse obra de pichadores, as Mesquitas também estaria. Na Rússia, mataram dezenas de crianças numa escola, mas ali não puderam negar a autoria. Na Itália, oito islamitas apenas, em poucos meses, estupraram mais de 600 (seiscentas) meninas de 12 a 16 anos de idade, obviamente virgens, o que foi amplamente divulgado. Na Inglaterra incendiaram várias cidades inglesas, somente porque um islamita foi morto pela polícia, e também estupram meninas inglesas. Nos USA todos sabem o que aconteceu, porque foi amplamente divulgado. No Brasil, um brasileiro que matou vários estudantes num colégio, tinha ligações com terroristas islâmicos, inclusive pela Internet.

    Portanto, podemos deduzir que todos os assassinatos nas escolas, no mundo inteiro, mesmo não sendo efetuados por muçulmanos, os atiradores são recrutados por eles.

    Islamismo não é religião, é Seita Pedofílica e política, com suas leis próprias, nas quais a pedofilia é legalizada por lei do Islã. Qualquer muçulmano jovem ou velho, pode casar com meninas de 9 (nove) anos de idade, para suas orgia pedofílicas, e quando morrem nessas orgias, apenas são substituídas por outras vítimas infantis. Alegam que é costume, para justificarem suas perversões sexuais. Os islamitas seguem o exemplo do pedófilo Maomé (Mohamed), que chamam de profeta, e cuja última esposa, a Ayshah, tinha apenas 8 (oito) anos de idade.

    Antes do ato de Anders Behring Breivik, a Nova Ordem dos Templários não era conhecida, agora essa Sociedade Secreta se espalhou pelo mundo inteiro, com milhares de seguidores, que estão aumentando a cada dia. Se era esse o objetivo de Anders, a divulgação, então conseguiu!!! E, a Islamofobia se fortificou pelo mundo civilizado, graças ao corajoso Anders de Noruega.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. IRMANDADE MUÇULMANA...

    TODOS OS MUÇULMANOS PRECISAM SER EXPATRIADOS DA EUROPA E DE TODOS OS PAÍSES CIVILIZADOS, PARA O ORIENTE MÉDIO!

    ENQUANTO NÃO SAÍREM, DEVERÃO SER CONFINADOS EM CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO, ONDE PODERÃO COLOCAR NO PORTÃO DE ENTRADA: "EURÁBIA", COMO SONHAVAM.

    A realidade que poucos conhecem:

    A SUPREMA CORTE DA ESPANHA revogou a lei que proibia o uso de véu, e os devidos trajes das muçulmanas, porque recebeu ameaças da IRMANDADE MUÇULMANA!!!

    Obs.: Essa IRMANDADE MUÇULMANA, está infiltrada em todos os países europeus, incluindo Austrália, Canadá, e a Ásia.

    Dessa maneira, todos os MOVIMENTOS contra os islamitas na Europa, e em todos os países civilizados, são logo silenciados, porque as Organizações recebem ameaças de morte, da IRMANDADE, nas quais incluem os familiares.

    É terrorismo oculto, feito através do TELEFONE.

    E, também, sob ameaça de morte, forçam as pessoas que se convertam ao islamismo.

    Os muçulmanos se impõem no mundo, através de ameaças de mortes, bombas, assim como homens-bomba ou incêndios provocados, seja numa residência ou instituição pública, como foi o caso da Suprema Corte da Espanha.

    Nota: o Papa Bento XVI, foi obrigado a abandonar o papado, porque em mais de 50 (cinqüenta) idiomas, transmitido ao mundo inteiro, falou algumas verdades sobre a maldita SEITA PEDOFÍLICA, denominada Islamismo. E o Vaticano seria impludido pelos muçulmanos, se ele permanecesse no papado. Assim, o Papa Francisco, assumiu o papado, e teve que se humilhar, por exigência dos muçulmanos, em lavar os pés de uma muçulmana, que odeia os cristãos, e ainda teve que beijar os pés dessa maldita.

    A realidade: o Papa Franciso é o fantoche dos muçulmanos e nem teve autorização em usar o nome de Francisco I, como seria o correto, por exigência dos islamitas!!!

    Apenas um exemplo do que os malditos islamitas fazem no Ocidente: é o caso do político holandês, que quer livrar seu país dos islamitas, e tem todos os motivos, e devido a isso, tem que andar com seguranças, usar carro blindado, para não ser assassinado pelos muçulmanos, em seu próprio país!

    Ainda, os islamitas pertencem a uma SEITA PEDOFÍLICA E POLÍTICA, denominada islamismo, que se intitula religião, sem o ser, na qual a pedofilia é legalizada por lei do ISLÃ.

    Em razão disso, se acham no direito de estuprar nossas crianças, podendo levá-las à morte, por hemorragia interna, e se sobreviverem, ficarão traumatizadas para o resto de suas vidas.

    Uma coisa é certa, eles também tem família, como nós!!!

    Então, vamos aplicar nos muçulmanos, a Lei de Talião:

    'OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE'.

    Assim, não poderão mais nos intimidar com ameaças, porque saberão que haverá o troco!!!

    No Oriente Médio, matam, estupram e mutilam cristãos e membros de outras religiões.

    Por que temos que os tolerar na Europa e em outros países civilizados, se eles nos odeiam e matam?

    VAMOS DAR UM BASTA!!! NÃO VAMOS CONTINUAR RECEBENDO ORDENS PARA RETIRARMOS OS CRUCIFIXOS DAS IGREJAS, AS ÁRVORES DE NATAL DAS RUAS E ASSIM POR DIANTE. E AINDA SERMOS AMEAÇADOS DE MORTE, ASSASSINADOS OU DEIXAR NOSSAS MENINAS SEREM ESTUPRADAS PELOS PEDÓFILOS MUÇULMANOS, EM NOSSOS PRÓPRIOS PAÍSES, ONDE OS MUÇULMANOS SÃO INTRUSOS!!!

    E, viva a ISLAMOFOBIA, que varrerá do mundo, a chaga da humanidade: o islamismo e suas perversões sexuais: a pedofilia

    Obs.: os muçulmanos sempre envolvem os judeus nas descriminações, sendo que os judeus nunca foram taxados como assassinos, estupradores ou terroristas. É uma jogada maquiavélica dos islamitas, tentando espalhar o anti-semitismo (Neonazismo) pelo mundo, com intenção de enfraquecer a ISLAMOFOBIA.

    ResponderExcluir
  7. Doa a quem doer...

    A NOVA ORDEM MUNDIAL (GOVERNO MUNDIAL) ficará sob a coligação EURO-ASIÁTICA (Rússia & China), e qualquer esperança que os muçulmanos tinham em dominar o mundo inteiro, e impor sua Seita Pedofílica e política, na qual a pedofilia é legalizada por lei do Islã, chamada islamismo, está com os meses contados.
    CHINA já está dominando o mundo inteiro. Na Europa, estão distribuídos conforme o número de habitantes dos países, em que vivem, quase matemticamente: 30% de chineses e coreanos, inclusive na Austrália e Canadá.
    Esse povo inteligente, trabalhador e disciplinado, é o único que tem condições psicológicas e ética moral, em colocar ordem no planeta Terra.
    CHINA, é a Primeira Economia Mundial, desde 2011.
    E como eles mesmo declararam: VOCÊS NÃO PODEM NOS DETER!!!
    Palavras que demonstram segurança e não apenas esperança.
    CHINA é o único país que tem míssil invisível ao radar, podendo ser lançado para qualquer país do mundo, em minutos, sem ser interceptado.
    Finalizando: O ANTICRISTO (vidência), que todos pensavam que seria um homem, se enganaram, porque, sempre ambiciosos e megalomaníacos, cada político em destaque, sonhava em ser ” o escolhido” , e nunca lhes passou pela mente que poderia ser uma nação: OS CHINESES

    Nota: Na China predomina o ateísmo, que não é religião, mas convicção.

    Observação: Esse GOVERNO MUNDIAL será instalado, ainda nessa década

    ResponderExcluir