domingo, 2 de maio de 2010

O Porque da Luta na Bósnia

Numa seqüência de quatro mapas, 1 500 anos de História para você entender as razões ancestrais da guerra entre sérvios, croatas e bósnios.

No último mês de junho — após três anos de uma luta que já fez mais de 200 000 mortos —, sérvios e bósnios largaram os fuzis. Pela primeira vez, estão tentando resolver, sem as armas, o mais grave conflito gerado pela dissolução da antiga Iugoslávia, em 1991. Uma mistura explosiva de etnias e religiões, a Iugoslávia havia nascido em 1918, criada pela união de seis repúblicas até então pertencentes ao Império Austro-Húngaro: Macedônia, Bósnia, Sérvia, Croácia, Eslovênia e Montenegro.
O país se manteve coeso, ao longo de sua História, devido ao carisma do presidente Josip Broz Tito, que morreu em 1980. Nove anos depois começou o desmantelamento do bloco socialista no Leste europeu. Movimentos de independência brotaram em vários países desse bloco, e a Iugoslávia, embora não fizesse parte dele, foi atingida pela onda.
Duas de suas repúblicas — a Eslovênia e a Croácia — declararam independência, em 1991. Como resposta, o governo federal mandou invadir a Eslovênia. Não teve sucesso, e foi forçado a aceitar uma trégua. Mas logo em seguida a Sérvia violou o cessar-fogo e atacou a Croácia, a outra república que havia declarado independência, a pretexto de defender a unidade iugoslava.
O pretexto da Sérvia para atacar a Croácia não convenceu e ela passou a ser acusada de tentar expandir seus territórios. A situação ficou ainda pior quando a Sérvia atacou a Bósnia, a mais heterogênea das repúblicas. Sua população é constituída por bósnios, croatas e sérvios. Estes últimos representam um terço do total.
Tamanha divergência entre as etnias cria um clima favorável à luta armada e, se a disputa com a Croácia logo foi resolvida, assegurando a independência a esse país, em 1992, a guerra na Bósnia se intensificou, desde então. E o cessar-fogo, agora, não é garantia de que os combates tenham terminado definitivamente.
As negociações buscam um meio de repartir a Bósnia de acordo com as etnias que vivem dentro de suas fronteiras. Durante a guerra, os sérvios passaram a controlar 75% da Bósnia. Mas as outras parcelas da população não aceitam isso: reclamam o controle de pelo menos 51% do território. Os sérvios ficariam com os 49% restantes.
Para entender melhor a origem de tantos combates — entre povos etnicamente muito próximos, todos eslavos —, é preciso recuar 1 500 anos no tempo. E acompanhar os mapas. Eles mostram quatro momentos decisivos na História daqueles povos, desde os últimos dias do Império Romano até o presente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário